Aprenda Inglês Ouvindo Neil Postman
"Meu Discurso de Formatura"

Download MP3 - Download PDF

Se você quer acelerar sua capacidade de compreensão da língua inglesa...

  • Leia a versão em português do discurso de formatura feito por Neil Postman.

  • Ouça um pequeno trecho em inglês por diversas vezes, acompanhando a versão em português.

  • Ouça novamente o mesmo trecho, acompanhando desta vez o original em inglês.

My Graduation Speech


Richard G. Scott:

We are pleased to confer an honorary degree upon Neil Postman, and now look forward with anticipation as Professor Postman gives us his commencement message...

Neil Postman:

  1. Members of the faculty, parents, guests and graduates: have no fear.

  2. I am well aware that on the day of such high excitement what you require first and foremost of any speaker is brevity.

  3. So I shall not fail you in this respect.

  4. There are exactly eight-five sentences in my speech, four of which you have heard already.

  5. Now it will take me about fifteen minutes to speak all of them, and I must tell you that such economy was not easy for me to arrange because I have chosen as my topic the complex subject of your ancestors.

  6. Now not of course your biological ancestors about whom I know nothing, but about your intellectual ancestors about whom I know a little.

  7. To be specific I want to tell you about two groups of people who lived many years ago, but whose influence is still with us.

  8. They were very different from each other, representing opposite values and traditions.

  9. (I think it is appropriate for those of you who are graduates to be reminded of them on this day because sooner than you know you must align yourself with the spirit of one or the spirit of other.)

  10. The first group lived about 2,500 years ago in the place which we now call Greece in the city they called Athens.

  11. We don’t know as much about their origins as we would like, but we do know a great deal about their accomplishments.

  12. They were for example the first people to develop a complete alphabet and therefore they became the first truly literate population on Earth.

  13. They invented the idea of political democracy, which they practiced with a vigor that puts us to shame.

  14. They invented what we call philosophy and they also invented what we call logic and rhetoric.

  15. They came very close to inventing what we call science, and one of them –Epicurus by name – conceived of the atomic theory of matter 2,300 years before it occurred to any modern scientist.

  16. They composed and sang epic poems of unsurpassed beauty and insight and they wrote and performed plays that almost three millennia later still have the power to make audiences laugh and weep.

  17. They even invented what, today, we call the Olympics, and among their values none stood higher than that in all things one should strive for excellence.

  18. They believed in reason.

  19. They believed in beauty.

  20. They believed in moderation.

  21. And they invented the word and the idea which we know today as ecology.

  22. About 2,000 years ago, the vitality of their culture declined and these people began to disappear.

  23. But not what they had created.

  24. Their imagination, art, politics, literature, and language spread all over the world so that, today, it is hardly possible to speak on any subject without repeating what some Athenian said on the matter 2,500 years ago.

  25. Now, the second group of people lived in the place we now call Germany, and flourished about 1,700 years ago.

  26. We call them the Visigoths, and you may remember that your sixth or seventh-grade teacher mentioned them.

  27. They were spectacularly good horsemen, which is about the only pleasant thing history can say of them.

  28. They were marauders-ruthless and brutal.

  29. Their language lacked subtlety and depth.

  30. Their art was crude and even grotesque.

  31. They swept down through Europe destroying everything in their path, and they overran the Roman Empire.

  32. There was nothing a Visigoth liked better than to burn a book, desecrate a building, or smash a work of art.

  33. From the Visigoths, we have no poetry, no theater, no logic, no science, no humane politics.

  34. Like the Athenians, the Visigoths also disappeared, but not before they had ushered in the period known as the Dark Ages.

  35. It took Europe almost a thousand years to recover from the Visigoths.

  36. Now, the point I want to make is that the Athenians and the Visigoths still survive, and they do so through us and the ways in which we conduct our lives.

  37. All around us – in this place – in this community, in our city-there are people whose way of looking at the world reflects the way of the Athenians, and there are people whose way is the way of the Visigoths.

  38. I do not mean, of course, that our modern-day Athenians roam abstractedly through the streets reciting poetry and philosophy, or that the modern-day Visigoths are killers.

  39. I mean that to be an Athenian or a Visigoth is to organize your life around a set of values.

  40. An Athenian is an idea.

  41. And a Visigoth is an idea.

  42. Let me tell you briefly what these ideas consist of.

  43. To be an Athenian is to hold knowledge and, especially the quest for knowledge in high esteem.

  44. To contemplate, to reason, to experiment, to question – these are, to an Athenian, the most exalted activities a person can perform.

  45. To a Visigoth, the quest for knowledge is useless unless it can help you to earn money or to gain power over other people.

  46. To be an Athenian is to cherish language because you believe it to be humankind's most precious gift.

  47. In their use of language, Athenians strive for grace, precision, and variety.

  48. And they admire those who can achieve such skill.

  49. To a Visigoth, one word is as good as another, one sentence indistinguishable from another.

  50. A Visigoth's language aspires to nothing higher than the cliché.

  51. To be an Athenian is to understand that the thread which holds civilized society together is thin and vulnerable; therefore, Athenians place great value on tradition, social restraint, and continuity.

  52. To an Athenian, bad manners are acts of violence against the social order.

  53. The modern Visigoth cares very little about any of this.

  54. The Visigoths think of themselves as the center of the universe. Tradition exists for their own convenience, good manners are an affectation and a burden, and history is merely what is in yesterday's newspaper.

  55. To be an Athenian is to take an interest in public affairs and the improvement of public behavior.

  56. Indeed, the ancient Athenians had a word for people who did not.

  57. The word was idiotes, from which we get our word "idiot."

  58. A modern Visigoth is interested only in his own affairs and has no sense of the meaning of community.

  59. And, finally, to be an Athenian is to esteem the discipline, skill, and taste that are required to produce enduring art.

  60. Therefore, in approaching a work of art, Athenians prepare their imagination through learning and experience.

  61. To a Visigoth, there is no measure of artistic excellence except popularity.

  62. What catches the fancy of the multitude is good.

  63. No other standard is respected or even acknowledged.

  64. Now, it must be obvious what all of this has to do with you.

  65. Eventually, like the rest of us, you must be on one side or the other.

  66. You must be an Athenian or a Visigoth.

  67. Of course, it is much harder to be an Athenian, for you must learn how to be one, you must work at being one, whereas we are all, in a way, natural-born Visigoths.

  68. That is why there are so many more Visigoths than Athenians.

  69. And I must tell you that you do not become an Athenian merely by attending school or accumulating academic degrees.

  70. My father-in-law was one of the most committed Athenians I have ever known, and he spent his entire adult life working as a dress cutter on Seventh Avenue in New York City

  71. On the other hand, I know physicians, lawyers, and engineers who are Visigoths of unmistakable persuasion.

  72. And I must also tell you, as much in sorrow as in shame, that at some of our great universities, mine as well as yours, there are professors of whom we may fairly say they are closet Visigoths.

  73. And yet, you must not doubt for a single moment that a school, after all, is essentially an Athenian idea.

  74. There is a direct link between the cultural achievements of Athens and what the faculty at this university is all about.

  75. I have no difficulty imagining that Plato, Aristotle, or Democritus would be quite at home in our class rooms.

  76. A Visigoth would merely scrawl obscenities on the wall.

  77. And so, whether you were aware of it or not, one of the purposes of your having been at this university was to give you a glimpse of the Athenian way, to interest you in the Athenian way.

  78. We cannot know on this day how many of you will choose that way and how many will not.

  79. You are young and it is not given to us to see your future.

  80. But I will tell you this, with which I will close:

  81. I can wish for you no higher compliment than that in the future it will be reported that among your graduating class at BYU the Athenians mightily outnumbered the Visigoths.

  82. Thank you, and congratulations.

*Speech delivered at Brigham Young University Commencement, 2000.

Download MP3 - Download PDF

To read more about Neil Postman, click here

Or visit Neil Postman's Official Website

Meu Discurso de Formatura


Richard G. Scott:

Estamos felizem em conferir o grau honorário a Neil Postman, e aguardamos com expectativa sua mensagem de formatura...

Neil Postman:

  1. Membros do corpo docente, pais, convidados e formandos: não tenham medo.

  2. Estou bem ciente de que, num dia de grande empolgação como este o que vocês exigem de qualquer orador é que ele seja breve.

  3. Então, não vou decepcioná-los a esse respeito.

  4. Há exatamente oitenta e cinco frases no meu discurso, quatro das quais vocês já ouviram.

  5. Agora vou levar cerca de quinze minutos para ler todas elas, e devo dizer-lhe que essa economia não foi fácil, pois escolhi como tema o complexo assunto dos seus antepassados.

  6. Agora é claro que não vou falar sobre seus antepassados biológicos - sobre os quais eu não sei nada - mas seus antepassados intelectuais sobre os quais eu sei um pouquinho.

  7. Para ser mais específico, quero falar sobre dois grupos de pessoas que viviam há muitos anos, mas cuja influência ainda está conosco.

  8. Eles eram muito diferentes uns dos outros, e representavam valores opostos e tradições.

  9. (Acho que é apropriado para você formandos serem lembrados deles neste dia, porque mais cedo do que vocês esperam, deverão se alinhar com o espírito de um ou o espírito de outro.)

  10. O primeiro grupo viveu cerca de 2.500 anos atrás, no lugar que hoje chamamos de Grécia na cidade chamada Atenas.

  11. Não sabemos tanto sobre suas origens como gostaríamos, mas sabemos muito sobre suas realizações.

  12. Eles estavam, por exemplo, entre os primeiros povos a desenvolver um alfabeto completo e se tornaram a primeira população realmente alfabetizada na Terra.

  13. Eles inventaram a idéia de democracia política, e a praticavam com um vigor tal que chega a nos envergonhar.

  14. Eles inventaram o que chamamos de filosofia e também o que chamamos de lógica e retórica.

  15. Eles chegaram muito perto de inventar o que chamamos de ciência, e um deles – chamado Epicuro – concebeu a teoria atômica da matéria 2.300 anos antes que a idéia ocorresse a qualquer cientista moderno.

  16. Eles compuseram e cantaram poemas épicos de beleza inigualável e inspiração, escreveram e interpretaram peças que quase três milênios mais tarde ainda têm o poder de fazer o público rir e chorar.

  17. Eles inventaram o que chamamos de Jogos Olímpicos, e o mais alto de seus valores era que em todas as coisas deve-se buscar a excelência.

  18. Eles acreditavam na razão.

  19. Eles acreditavam na beleza.

  20. Eles acreditavam na moderação.

  21. Eles inventaram a palavra e a idéia do que hoje conhecemos como ecologia.

  22. Cerca de 2.000 anos atrás, a vitalidade de sua cultura diminuiu e essas pessoas começaram a desaparecer.

  23. Mas não o que eles tinham criado.

  24. Sua imaginação, arte, política, literatura e difusão da língua ocorreu em todo o mundo de modo que hoje é praticamente impossível falar sobre qualquer assunto sem repetir o que algum ateniense disse sobre o mesmo há 2.500 anos.

  25. Agora, o segundo grupo de pessoas vivia no lugar que hoje chamamos de Alemanha, e floresceu cerca de 1.700 anos atrás.

  26. Chamamos-lhes os Visigodos, e você pode se lembrar que o professor da sexta ou sétima série os mencionou.

  27. Eram espetacularmente bons cavaleiros, o que é a única coisa agradável que se pode dizer deles.

  28. Eles eram saqueadores, cruéis e brutais.

  29. Sua língua faltava sutileza e profundidade.

  30. Sua arte era rude e até mesmo grotesca.

  31. Eles avançaram por toda a Europa destruindo tudo em seu caminho, e invadiram o Império Romano.

  32. Não havia nada que um visigodo gostasse mais do que queimar um livro, profanar um edifício, ou quebrar uma obra de arte.

  33. Dos visigodos, não herdamos poesia, teatro, lógica, ciência ou política humana.

  34. Como os atenienses, os visigodos também desapareceram, mas não antes de inaugurar o período conhecido como Idade das Trevas.

  35. A Europa levou quase mil anos para se recuperar dos visigodos.

  36. Agora, o ponto que quero enfatizar é que os atenienses e os visigodos ainda sobrevivem, através de nós e da maneira que conduzimos nossas vidas.

  37. Tudo à nossa volta - neste local - na comunidade, em nossa cidade existem pessoas cuja maneira de olhar o mundo reflete a maneira dos atenienses, e há pessoas cujo modo é o dos visigodos.

  38. Não me refiro, é claro, que nossos atenienses modernos vagam distraídos pelas ruas recitando poesia e filosofia, ou que os visigodos modernos são assassinos.

  39. Quero dizer que ser um ateniense ou um visigodo é organizar sua vida em torno de um conjunto de valores.

  40. Um ateniense é uma idéia.

  41. E um visigodo é uma idéia.

  42. Deixe-me dizer resumidamente no que consistem essas idéias.

  43. Ser um ateniense é considerar o conhecimento e, principalmente, a busca pelo conhecimento em alta estima.

  44. Contemplar, raciocinar, experimentar, perguntar - estes são, para um ateniense, as atividades mais sublimes que uma pessoa pode executar.

  45. Para um visigodo, a busca do conhecimento é inútil a não ser que o ajude a ganhar dinheiro ou poder sobre outras pessoas.

  46. Ser um ateniense é estimar os idiomas, por acreditar serem eles o dom mais precioso da humanidade.

  47. No seu uso da linguagem, os atenienses buscam pela graça, precisão e variedade.

  48. E admiram aqueles que conseguem atingir tal habilidade.

  49. Para um visigodo, uma palavra é tão boa quanto a outra, uma frase não se distingue da outra.

  50. Em termos de linguagem, um visigodo não aspira a nada mais do que o cliché.

  51. Ser um ateniense é entender que o fio que une uma sociedade civilizada é fino e vulnerável, portanto, os atenienses valorizam muito a tradição, os limites sociais e a continuidade.

  52. Para um ateniense, maus modos são atos de violência contra a ordem social.

  53. Os visigodos modernos se preocupam muito pouco sobre disso.

  54. Os visigodos pensam em si mesmos como o centro do universo.

  55. A tradição existe para sua própria conveniência, boas maneiras são uma afetação e uma carga, e a história é meramente o que está no jornal de ontem.

  56. Ser um ateniense é se interessar em assuntos públicos e na melhoria do comportamento público.

  57. Na verdade, os antigos atenienses tinham uma palavra para as pessoas que não se interessavam nesse assunto.

  58. A palavra era ‘idiotes’, da qual se originou nossa palavra "idiota".

  59. Um visigodo moderno está interessado apenas em seus próprios assuntos e não tem nenhum senso de comunidade.

  60. E, finalmente, ser um ateniense é reconhecer que autodisciplina, habilidade e bom gosto são necessários para produzir uma obra de arte duradoura.

  61. Portanto, na abordagem de uma obra de arte, atenienses preparam sua imaginação através da aprendizagem e experiência.

  62. Para um visigodo, não há nenhuma medida de excelência artística, exceto popularidade.

  63. O que chama a atenção da multidão é considerado bom.

  64. Nenhum outro padrão é respeitado ou mesmo reconhecido. Agora, deve ser óbvio o que tudo isto tem a ver com você.

  65. Eventualmente, tal como o restante de nós, você deve se posicionar de um lado ou do outro.

  66. Você deve ser um ateniense ou um visigodo.

  67. Claro, é muito mais difícil ser um ateniense, pois você deve aprender a ser um, você deve trabalhar para ser um, enquanto todos nós somos, de certa forma, visigodos natos.

  68. É por isso que há muito mais visigodos do que atenienses.

  69. E devo dizer-lhe que você não se torna um ateniense apenas freqüentando a faculdade ou acumulando graus acadêmicos.

  70. Meu sogro foi um dos mais empenhados atenienses que eu já conheci, e ele passou toda sua vida adulta trabalhando como um alfaiate na Sétima Avenida, em Nova York.

  71. Por outro lado, conheço médicos, advogados e engenheiros que são visigodos irreparáveis.

  72. E também devo dizer-lhe, tanto com tristeza quanto com vergonha, que em algumas de nossas grandes universidades, tanto na minha quanto na de vocês, existem professores dos quais podemos dizer que são visigodos enrustidos.

  73. Mesmo assim, vocês não devem duvidar por um só momento que a escola, afinal, é em sua essência uma idéia ateniense.

  74. Existe uma relação direta entre as realizações culturais de Atenas as atividades das quais o corpo docente desta universidade se ocupa.

  75. Não tenho dificuldade em imaginar que Platão, Aristóteles ou Demócrito, se sentiriam completamente à vontade em nossas salas de aula.

  76. Um visigodo iria apenas rabiscar obscenidades na parede.

  77. E assim, quer você esteja ciente disso ou não, um dos propósitos da sua passagem por essa universidade foi lhe dar um vislumbre do caminho ateniense, chamar sua atenção para o caminho ateniense.

  78. Não nos é dado saber, nesse dia, quantos de vocês vão escolher esse caminho, e quantos não vão.

  79. Vocês são jovens e não podemos prever seu futuro.

  80. Mas vou dizer só mais uma coisa, e com ela concluirei:

  81. Não consigo desejar um elogio maior para vocês do que, em algum tempo futuro, seja dito que entre os formandos dessa turma da BYU o número de atenienses superou em muito o dos visigodos.

  82. Obrigado e parabéns.
*Discurso de formatura feito na Universidade Brigham Young em 2000.

Download MP3 - Download PDF

Para ler mais sobre Neil Postman, clique aqui

Ou visite o site oficial de Neil Postman

From Neil Postman to Homepage


Home | Curso | Dicas | eBooks | Boletim | Livros | Mapa | Sobre | Contato

Copyright © 2010 by Charlles Nunes

FALE CONOSCO:
(24) 3362 4199
(24) 9954 1608

Conheça o BLZ em Angra dos Reis, RJ.
Conheça o BLZ em Paraty, RJ.

Abrir
Abrir
Abrir
Abrir
Abrir
Abrir

MATERIAL IMPORTADO

Clique na capa e conheça a coleção American Headway, da Oxford University Press!