10 MILHÕES DE PESSOAS INVISÍVEIS

Você já imaginou como seria viver, sem ter um país pra chamar de seu?

Pois esse é um desafio enfrentado por 10 milhões de pessoas pelo mundo afora. Todo dia, elas passam por constrangimentos que a maioria de nós nem sequer imagina.

Confira no vídeo a história de uma guerreira que - apesar de todas os obstáculos - não desistiu. Você pode ativar as legendas em inglês ou português.

Deixe seu comentário sobre o que pensou, sentiu e aprendeu com ela. Esse vídeo pode mudar sua perspectiva.




Transcript

I'm 30 years old, and a month ago, I got my first passport.

For most people, like you, it's just a technicality, a document in the shape of a small book, with a colored cover, that allows you to travel.

But, for me, it was life. It was a sign that I belong somewhere.

You know why?

Because I've lived my entire life as a stateless person. Do you know what "stateless person" is?

A human can get her or his nationality in two ways: from the land where you were born or from the bloodline.

Take Italy. If you're born in Italy, you're not Italian. If your parents are, then you can get the Italian passport.

But millions of people around the world have neither option, like me. I was born in Lebanon. Lebanon gives you nationality only if your father is Lebanese.

But my parents are Syrian. My mom is Muslim and my father is Christian.

When they decided to get married, in Syria, the inter-religious marriage is illegal. So, in 1985, they went to a neighboring country, to Lebanon.

They tried to get married there. They could just get married in a church ceremony, but never register it.

Soon after, my sister, my brother and I were born. Neither my mother nor my father could confer onto us their nationality. We were born as stateless people.

For us, it was a normal life. We're going to live it, and then we're going to grow up. We didn't even know what challenges and problems were waiting for us.

The first problem we faced was in school, when my mother wanted to register us in school and she had to beg every single director.

She went to three schools, and we were denied, because the first question they asked her,"Who are they? Where are their documents?"

As we didn't have anything, they just turned us away.

Then, luckily, in Lebanon, we had a civil war, and not all officials were paying attention to the rules. My mom could convince another school, and an Armenian school accepted us.

So I started studying. The most beautiful one.

Just like everyone else, same uniform, same teachers and same education.

I felt life is easy, that we don't have anything.

If you look at us, we seem three teenagers, Souad, Eddy and me, three teenagers living their life, hoping and dreaming of a better future.

But that wasn't the reality. Everything that you take for granted in your life, we didn't have.

We were facing challenges and problems every single day. I have a severe allergy. The name is urticaria. When it attacks me, I should run to the hospital to be attended to.

Unfortunately, the first question they ask, "Where are your documents?"

Every time I should go, I had to take my best friend Nicole with me to be admitted under her name.

I remember one day Nicole showed me a passport, a vaccination passport of her own dog.

Yes, her dog had the right to medical care. I didn't, neither my brother nor my sister.

The smallest things that I used to live every single day reminded me over and over that I'm a stateless person.

Going to buy a SIM card, or going to a club to enjoy with your friends, the first question, "Where is your document?"

As I don't have anything to present, then I couldn't do it.

Imagine if I needed a credit card or health insurance. That was kind of impossible.

I really wanted to be a professional basketball player. I'm not that tall, but I'm really fast. I had the skills, but not the magic documents.

The biggest fear we had was just walking on the street and seeing a checkpoint, because every time I see a police checkpoint, I have to run to the other side because I don't have a document to present whenever I am stopped.

When I finished school, I really wanted to study. I wanted to do medicine. I had good grades.

And then, at the first university I went to with my grades, hoping that they could listen to me and to my case, the admission officer just took the documents and threw them on my face.

He said, "If you're Lebanese, you can study. If you're a foreigner, you can study as well. We're not joking here. Who are you?"

Deep inside, I knew, "That's a dream, that's impossible. I will never be able to study."

But I really wanted to. So I simply [made] a list of all the universities in Lebanon and then went to one after the other, begging and asking, "Please, I need to study."

Until I found one.

They accepted me as a favor, and they told me, "Welcome. We don't have Medicine, but we have Information Systems Management."

So I said, "That's okay."

I started studying, and I even went further and I did my MBA degree and I graduated with a master's degree.

And now? What am I supposed to do?

I finished school, I cannot work, I cannot live, I cannot travel.

What future is waiting for me? Would I dare to have kids and put them in the same situation that I am? Would I dare to dream?

I had to choose. So, I started sending [out] my story.

I wrote a card and started sending it [out] all over the world, inside Lebanon, to Syria, to everywhere, to anyone I could reach, and I got replies.

Many embassies replied to me. They simply denied me. I was refused.

The only country that accepted my case was Brazil.

But not because I was stateless.

Because in 2014, Brazil opened the door with a humanitarian visa for Syrian refugees.

Again, the chaos of war helped me to start a new life. Start a new life!

But in a country named Brazil, the only two things I know about it are the football players and the amazing Carnival.

Where should I go? Where am I going to sleep? What will I do?

How am I going to live my life there? How am I going to survive?

But I said, "I'm ready for the challenge."

Me, my sister and my brother, we went to the unknown, to Brazil.

We said, "We're ready for a new beginning."

When I got there, I used to speak four languages: Arabic, English, Armenian and French. But not Portuguese.

And I had my master's degree, but I couldn't find a job.

The only job that I could do at that time was pamphleting, distributing pamphlets, me and Eddy, on the streets.

You can see this big smile on our faces, yes. We were really happy to be able to work legally for the first time in our life.

And we started learning Portuguese on napkins because we needed to integrate into society.

A few months later, I got a better job.

I started working as an operation manager in the import and export of cattle, but it wasn't a good job by any means. I was always underpaid.

Me, my sister and my brother, we were working, but we were underpaid because of our status.

With all this, even with all the struggling, we were optimistic. We were three adults, happy and ready to wait.

In Brazil, at that time, we didn't have a law for stateless people. Stateless people didn't have a law.

But we were three adults, happy and dreaming that one day, Brazil was going to change the laws.

On May 30, 2016, we were approved as refugees. And who between you wants to be a refugee, or dreams about it?

That was my dream. That was my dream because with the refugee status in Brazil, I could get my first document, my first residency ever, with my photo and my name, with the right to stay there for five years, in the same territory, legally.

I had the right to live, to work, to dream, to believe, to have a bank account, and to have all the basic rights that I'd never had.

But life is cruel, life is really bad, because exactly after one month of this happiness, I lost my brother.

He was killed ...

He was stopped by drugged up adolescents that were trying to rob him. The only thing that they took from him was his life.

My brother, he died as a stateless person.

Eddy... I will always miss him. I will always miss you.

And he was lucky enough, because one month before, he got his residency.

What's that supposed to mean? It means he got his death certificate.

Why?

Because stateless people, they don't have a birth certificate, and stateless people, they don't have a death certificate.

They're just born, live and just leave, like a shadow, like people that have never existed.

I used to think it was only me, my brother and my sister in this situation, that it was only the three of us.

But when I started working more closely with the UNHCR and discovered their new campaign to end statelessness, "I Belong,"

I saw that in the world, there 10 million stateless people.

Imagine the size of the population of a country like Portugal. Imagine a whole population that doesn't have any right to exist or to belong.

So I said, "I need to do something."

I started sharing my story with everyone. I did many documentaries, journals, [speeches],anyone and everywhere,wherever they'd invite me to and give me the space to share my story.

I started to raise my voice.

I started to explain to people that statelessness is a human rights problem.

In the laws, there is a simple thing we can do, which is just try to change them. Imagine if I was born and I could get my Syrian mother's nationality, if my mom could pass her nationality on to me.

I would maybe today be a doctor, living in Lebanon or Syria, and maybe Eddy would still be with us.

This is a simple thing.

We need to change discrimination in the law and we need to give the right for a woman to pass her nationality on.

Today, we still have 25 countries that will not let a woman pass her nationality on to her children.

We need states to identify stateless people - this 10 million, it's an estimate - and to facilitate their naturalization.

To make this happen, it's so simple: by changing the law.

Because everyone has the right to belong.

And Brazil, they did it.

Today, with this amazing, lovely Brazilian passport, I'm proud to announce, today I'm Brazilian; today I belong.

And everyone has the right to belong.

Thank you.

Wow. Thank you.


Transcrição

Tenho 30 anos de idade, e no mês passado, consegui meu primeiro passaporte.

Para a maioria das pessoas, como vocês, é apenas um detalhe técnico, um documento na forma de um pequeno livro, com uma capa colorida, que lhe permite viajar.

Mas, para mim, era a vida. Era um sinal de que eu pertenço a algum lugar.

Você sabe por quê? Porque vivi minha vida inteira como apátrida.

Sabe o que é "apátrida"?

Uma pessoa pode obter sua nacionalidade de duas maneiras: da terra onde você nasceu ou da linhagem.

Pegue a Itália. Se você nasceu na Itália, você não é italiano.

Se seus pais são, você pode conseguir o passaporte italiano.

Mas milhões de pessoas em todo o mundo não têm nenhuma opção, como eu.

Nasci no Líbano. O Líbano só dá nacionalidade se seu pai é libanês. Mas meus pais são sírios. Minha mãe é muçulmana e meu pai é cristão.

Quando eles decidiram se casar, na Síria, o casamento inter-religioso é ilegal. Então, em 1985, eles foram para um país vizinho, para o Líbano.

Tentaram se casar lá.

Eles só poderiam se casar em uma cerimônia na igreja, mas nunca no civil.

Logo depois, nascemos eu, minha irmã e meu irmão. Nem minha mãe nem meu pai puderam nos conceder sua nacionalidade.

Nascemos como pessoas apátridas. Para nós, era uma vida normal. Nós vamos viver isso, e depois vamos crescer. Nem sabíamos quais desafios e problemas estavam esperando por nós.

O primeiro problema que enfrentamos foi na escola, quando minha mãe queria nos registrar na escola e teve que implorar a todos os diretores.

Ela foi a três escolas, e fomos negados, porque a primeira pergunta que eles fizeram: "Quem são eles? Onde estão seus documentos?"

Como não tínhamos nada, eles simplesmente nos recusavam.

Então, felizmente, no Líbano, tivemos uma guerra civil, e nem todas as autoridades estavam atentas às regras.

Minha mãe conseguiu convencer outra escola.

Uma escola armênia nos aceitou. Então comecei a estudar. A mais bonita de todas.

Assim como todo mundo, o mesmo uniforme, os mesmos professores e a mesma educação.

Senti que a vida é fácil, que não temos nada.

Se você olhar para nós, parecemos três adolescentes, Souad, Eddy e eu, três adolescentes vivendo sua vida, esperando e sonhando com um futuro melhor.

Mas essa não era a realidade.

Tudo que vocês valorizam em suas vidas, nós não tínhamos.

Estávamos enfrentando desafios e problemas todos os dias. Tenho uma alergia grave. O nome é urticária. Quando ela aparece, tenho que correr para o hospital para ser atendida.

Infelizmente, a primeira pergunta que eles fazem é: "Cadê seus documentos?"

Toda vez que tinha que ir, tinha que levar minha melhor amiga Nicole comigo para ser internada com o nome dela.

Lembro-me de um dia em que Nicole me mostrou um passaporte, um passaporte de vacinação de seu próprio cachorro.

Sim, seu cachorro tinha direito a cuidados médicos. Eu não tinha, nem meu irmão nem minha irmã.

As coisas mais pequenas que eu costumava fazer todos os dias, me lembravam repetidamente de que eu sou apátrida.

Indo comprar um cartão SIM, ou indo a uma balada para curtir com seus amigos, a primeira pergunta: "Onde está o seu documento?"

Como não tenho nada para apresentar, então não podia.

Imagine se eu precisasse de um cartão de crédito ou plano de saúde. Isso era meio que impossível.

Queria mesmo ser uma jogadora profissional de basquete. Não sou tão alta, mas sou muito rápida.

Eu tinha as habilidades, mas não os documentos mágicos.

O maior medo que tínhamos era simplesmente caminhar na rua e ver um posto de controle, porque toda vez que vejo um posto policial, tenho que correr para o outro lado, porque não tenho um documento para apresentar sempre que sou parada.

Quando terminei a escola, eu queria muito estudar. Queria fazer medicina. Tinha boas notas. E então, na primeira universidade aonde fui com as minhas notas, na esperança de que pudessem dar ouvidos a mim e ao meu caso, o oficial de admissão só pegou os documentos e jogou-os no meu rosto.

Ele disse: "Se você é libanesa, você pode estudar. Se você é estrangeira, também pode estudar. Não estamos brincando aqui. Quem é você?"

No fundo, eu sabia: "Isso é um sonho, é impossível. Eu nunca poderei estudar".

Mas eu queria muito.

Então, simplesmente fiz uma lista de todas as universidades do Líbano e depois fui a uma após a outra,implorando e pedindo: "Por favor, eu preciso estudar".

Até que encontrei uma.

Eles me aceitaram como um favor, e me disseram: "Bem-vinda. Não temos medicina, mas temos Gerenciamento de Sistemas de Informação".

Então eu disse: "Tudo bem".

Comecei a estudar e ainda fui mais longe e fiz meu MBA e obtive meu mestrado.

E agora? O que eu devo fazer?

Terminei a escola, não posso trabalhar, não posso viver, não posso viajar.

Que futuro me aguarda? Me atreveria a ter filhos e colocá-los na mesma situação em que estou? Ousaria sonhar?

Tive que escolher. Então,comecei a transmitir a minha história. Escrevi um cartão e comecei a enviá-lo para todo o mundo, no Líbano, na Síria, em todo lugar, para quem pudesse alcançar, e recebi respostas.

Muitas embaixadas me responderam. Elas simplesmente me negaram. Fui recusada.

O único país que aceitou meu caso foi o Brasil.

Mas não porque eu era apátrida. Porque em 2014, o Brasil abriu a porta, com um visto humanitário para refugiados sírios.

Mais uma vez, o caos da guerra me ajudou a começar uma nova vida.

Começar uma nova vida!

Mas em um país chamado Brasil, as duas únicas coisas que sei do país são: "os jogadores de futebol e o incrível carnaval".

"Para onde devo ir? Onde eu vou dormir?

O que eu farei? Como vou viver minha vida lá? Como vou sobreviver?"

Mas eu disse: "Estou pronta para o desafio".

Eu, minha irmã e meu irmão fomos ao desconhecido, para o Brasil. Dissemos: "Estamos prontos para um novo começo".

Quando cheguei lá, falava quatro idiomas: árabe, inglês, armênio e francês. Mas não português.

E eu tinha meu mestrado, mas não conseguia encontrar um trabalho. O único trabalho que eu podia realizar naquele momento era panfletar, distribuir panfletos, eu e Eddy, nas ruas.

Vocês conseguem ver esse grande sorriso em nossos rostos, sim. Ficamos muito felizes por podermos trabalhar legalmente pela primeira vez em nossa vida.

E começamos a aprender português em guardanapos, porque precisávamos nos integrar na sociedade.

Alguns meses depois, consegui um emprego melhor. Trabalhei como gerente de operações na importação e exportação de gado, mas de modo algum era um bom trabalho. Sempre fui mal paga.

Eu, minha irmã e meu irmão estávamos trabalhando, mas éramos mal pagos por causa da nossa condição. Com tudo isso, mesmo com toda a luta, éramos otimistas. Éramos três adultos, felizes e prontos para esperar.

No Brasil, naquela época, não tínhamos uma lei para apátridas. Os apátridas não tinham uma lei. Mas éramos três adultos, felizes e sonhando que, um dia, o Brasil ia mudar as leis.

Em 30 de maio de 2016, fomos aprovados como refugiados. E quem entre vocês quer ser um refugiado, ou sonha com isso? Esse era o meu sonho.

Esse era o meu sonho porque, com o status de refugiado no Brasil, eu consegui meu primeiro documento, minha primeira residência, com minha foto e meu nome,

com o direito de ficar lá por cinco anos, no mesmo território, legalmente.

Eu tinha o direito de viver, trabalhar, sonhar, acreditar, ter uma conta bancária, e ter todos os direitos básicos que eu nunca tive.

Mas a vida é cruel, a vida é muito ruim,

porque, exatamente depois de um mês dessa felicidade, perdi meu irmão. Ele foi morto... Ele foi parado por adolescentes drogados, que estavam tentando roubá-lo.

A única coisa que eles tiraram dele foi sua vida.

Meu irmão, ele morreu como apátrida.

Eddy... Eu sempre sentirei falta dele. Eu sempre sentirei sua falta.

E ele teve sorte porque, um mês antes, ele conseguiu sua residência.

O que isso quer dizer?

Isso significa que ele recebeu sua certidão de óbito.

Por quê?

Porque pessoas apátridas não têm certidão de nascimento, e pessoas apátridas não têm certidão de óbito. Elas nascem, vivem e partem, como uma sombra, como se nunca tivessem existido.

Eu achava que eramos só eu, meu irmão e minha irmã nesta situação, que éramos apenas nós três.

Mas quando comecei a trabalhar mais de perto com a ACNUR e descobri sua nova campanha para acabar com a apatridia, "Eu pertenço", eu vi que, no mundo, existem 10 milhões de apátridas.

Imagine o tamanho da população de um país como Portugal.

Imagine uma população inteira que não tem nenhum direito de existir ou pertencer.

Então eu disse: "Eu preciso fazer alguma coisa". Comecei a compartilhar minha história com todos. Eu fiz muitos documentários, revistas, discursos, com qualquer um e em qualquer lugar onde quer que me convidassem e me dessem espaço para compartilhar minha história.

Comecei a levantar minha voz. Comecei a explicar para as pessoas que apatridia é um problema de direitos humanos.

Nas leis, há uma coisa simples que podemos fazer, que é tentar mudá-las.

Imagine se eu nascesse e eu pudesse ter a nacionalidade da minha mãe síria,

se minha mãe pudesse passar sua nacionalidade para mim.

Hoje talvez eu fosse uma médica, vivendo no Líbano ou na Síria, e talvez Eddy ainda estivesse conosco.

Isso é uma coisa simples.

Precisamos mudar a discriminação na lei e precisamos dar o direito a uma mulher de transmitir sua nacionalidade. Ainda hoje, temos 25 países

que não permitem que uma mulher passe sua nacionalidade para seus filhos.

Precisamos que os Estados registrem pessoas apátridas - esses 10 milhões são uma estimativa - e facilitem sua naturalização.

Para fazer isso acontecer, é muito simples:

mudar a lei.

Porque todo mundo tem o direito de pertencer.

E o Brasil fez isso.

Hoje, com esse incrível e adorável passaporte brasileiro, tenho orgulho de anunciar que hoje sou brasileira, que hoje eu pertenço. E todos têm o direito de pertencer.

Obrigada.

Uau. Obrigada.

Entrevista em Português:

Você quer vencer o medo de falar inglês?

Então, converse com a gente. Preencha o formulário e entraremos em contato com você. Venha conhecer um método que funciona - e faça novos amigos por todo o Brasil.

Verbos que você pode praticar:

O que você achou dessa história?

Sempre tive medo e dificuldade de falar inglês, mas a forma dinâmica e divertida de aprender no BLZ está me ajudando a me desenvolver no idioma. Meus parabéns a toda a Equipe BLZ.

Rayane, Angra dos Reis-RJ